Falta de condições nos Tribunais do Norte

Parece incrível que aquilo que um Advogado de barra que calcorreie o país a representar cidadãos, empresas e outras entidades, por esses Tribunais, detecta, passe completamente despercebido a quem representa a classe.

Noticiou-se recentemente que os Senhores Juízes Presidentes de 23 Comarcas, ao longo de 3.500 páginas, denunciam as más condições de muitos Tribunais portugueses. Os problemas denunciados vão desde as infraestruturas a pragas e infestações.

Parece incrível, e inacreditável até, que aquilo que um/a “singelo/a” Advogado/a de barra, que calcorreie o país, de lés a lés, a representar cidadãos/ãs, empresas e outras entidades, por esses Tribunais, detecta com facilidade palmar, passe completamente despercebido a quem representa a classe.

A Norte, na área correspondente à circunscrição do Conselho Regional do Porto, os problemas são agravados. Na verdade, a acrescer ao cenário terceiro-mundista descrito no noticiado relatório, falta a segurança, ao ponto de recentemente se terem evadido dois detidos de um Tribunal situado ao lado da sede do Conselho Regional do Porto, sem que os seus dirigentes ou o Bastonário tivessem feito qualquer esforço para tranquilizar a classe, daí retirar ilações e fazer o poder político tomar medidas.

Ana Sofia de Sá Pereira, advogada